Descubra as histórias por trás dos pontos turísticos que você não pode deixar de conhecer na Bahia

Conhecer um novo lugar vai muito além dos entretenimentos que ele  tem a oferecer. Para obter uma experiência completa, aprender e entender mais sobre uma nova cultura é preciso saber de onde vem as suas origens, conhecendo portanto as histórias que circundam o local. 

Muito mais do que cartões postais e belas paisagens, a cidade de Salvador é repleta de cultura e tradição que até para quem não conhece muito a história por trás da cidade e das representações culturais, compreende o rico papel que essa herança tem no dia a dia da população soteropolitana. 

Fortes Militares de Salvador 
A cidade de Salvador nasceu com objetivo de ser uma cidade-forte, onde a proteção das terras brasileiras era a principal preocupação do governo português. Por essa razão, a cidade é composta por 11 fortes, que cercam a cidade, sendo entre eles três que não podem ser deixados de fora do seu itinerário.    

Forte de Santo Antônio da Barra ou Farol da Barra
O mais famoso cartão postal de Salvador, conhecido pelos turistas por fazer parte do circuito do Carnaval, sendo dono de uma vista incrível para o mar e de um pôr-do-sol que serve de contemplação ritualística para os baianos. 

A região da Barra é muito famosa e badalada, porém o grandioso local - muitas vezes apreciativo - apresenta em sua parte interna um museu náutico com acervos de achados arqueológicos submarinos e outros muitos artefatos.   

A fortificação militar foi construída no ano de 1536,  tendo um papel muito importante e estratégico durante as invasões holandesas na Bahia, onde eles ocuparam o local que foi reconquistado a um ano depois. O farol foi erguido em 1698 complementando um dos grandes monumentos históricos de Salvador e grande símbolo militar.     

Forte de São Diogo 
Próximo ao Farol da Barra, o Forte de São Diogo conta com uma incrível infraestrutura dignas de fotos extraordinárias para guardar de recordação, exposições de fotografia no espaço Carybé das Artes, lanchonete e uma vista sensacional para a Baía de Todos os Santos. 

Essa fortificação foi construída entre 1609 e 1613, na encosta do Morro de Santo Antônio. Ele foi erguido sobre a estrutura do castelo do donatário da capitania, Pereira Coutinho. O Forte de São Diogo tinha como objetivo impedir, em conjunto com o Forte de Santa Maria, o desembarque de navios inimigos no acesso sul a cidade. 

Forte de Nossa Senhora de Monte Serrat
Muito próximo a famosa Igreja do Senhor do Bonfim e com uma localização privilegiada na ponta de Humaitá, o Forte de Monte Serrat possui uma das vistas mais bonitas de Salvador, sendo também considerado “uma das melhores obras militares do Brasil Colônia”. 

Com suas fortificações completamente bem preservadas, com direito a exposição de canhões de guerra, o local é palco de fotografias exuberantes, sem contar no pôr-do-sol mais incrível de todos. Um canto sossegado, muito apreciado pelos casais que possibilita ser aproveitado após um dia de sol na praia da Boa Viagem. 

O forte foi erguido durante o entre o século XVI  e XVII, na ponta ocidental da península de Itapagipe, na entrada da Baía de Todos os Santos, com vista para o porto da cidade e hoje abriga o Museu da Armaria. Ele também participou da grande invasão holandesa ao Brasil, fazendo parte da força de resistência. 

Mercado Modelo 
O Mercado Modelo pode parecer somente um mercado de artesanato, onde você pode aproveitar para comprar lembranças de Salvador para a sua família e amigos. 

Contudo, a construção vizinha do Elevador Lacerda, que começou a ser feita no 1911, ao lado da Praça Cayru em local que pertencia à Marinha, hoje tombada pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) tem muita história. 

A obra surgiu com a necessidade de um local para abastecer a Cidade Baixa, sofreu diversas alterações em sua fachada até se tornar a que é hoje, além de contar com 3 incêndios que acometeram o local. Lá, gerações de soteropolitanos trabalham vendendo suas mercadorias, cada uma com uma história a mais para acrescentar à já existente do local. 

Pelourinho
Vir em Salvador e não ir no Pelourinho, definitivamente não existe. Ele é a representação da Bahia em um só lugar, sem falar que é considerado um museu a céu aberto, pela sua representação artística e cultural intrínseca em suas ruas.  

A herança cultural da Bahia é extremamente vasta no Pelourinho, desde o Olodum a os artesanatos e quadros. Toda essa riqueza baiana é motivo de renda para diversos artistas que colorem e enfeitam as ruas do local com a releitura contemporânea de uma cultura miscigenada e rica em cores, sons e expressões. Além de ser o principal ponto turístico de Salvador, o Pelourinho é um bairro boêmio que inspira arte desde seu paralelepípedo repleto de história, as suas casas coloridas que são a marca registrada do local.
 
Mas nem sempre ele inspirou tanta felicidade, pois esse mesmo lugar já foi palco da tortura de milhares de escravos em praça pública que eram amarrados em colunas de pedras e argolas de bronze, por esse motivo o local leva esse nome. 

Elevador Lacerda
O cartão postal mais clássico de Salvador, que contempla do seu alto a vista para toda a cidade baixa teve início em sua construção no ano de 1869, sendo o primeiro elevador urbano do mundo, com 72 metros de altura, ligando o acesso entre o grande declive geográfico da cidade. 

O elevador lacerda foi projetado pelo empresário Antônio Lacerda e seu irmão engenheiro Augusto Lacerda que objetivavam facilitar o transporte de pessoas entre a Praça Cairu na Cidade Baixa e a Praça São Tomé na Cidade Alta, já que antes a movimentação era feita por guindastes e só transportavam mercadorias. 

Farol de Itapuã
Uma das praias mais frequentadas de Salvador, a praia de Itapuã consta com um grande farol vermelho e branco. Muito famoso, ele está presente em músicas, poesias e literaturas encantando em diversas obras de artistas.

Sua criação se deu, pois a costa brasileira possuía um grande problema de iluminação e isso já era algo que os brasileiros tinham conhecimento. No entanto, apenas quando um paquete francês que se dirigia a Bordeaux encalhou próximo a Itapuã, perdendo um navio a movimentação para sanar esse problema foi providenciada. 

Após isso, com a ajuda do engenheiro militar cearense Zozimo Braulio e da empresa P & W MacLellan, no dia 7 de Setembro o farol foi erguido. 

Conhecer os pontos turísticos da cidade a qual se está viajando é enriquecedor, conhecendo muito mais do que a beleza que os grandiosos monumentos e lugares apresentam. Portanto, torna-se ainda melhor quando atrelamos isso a história do local e da região, dando um peso ainda mais relevante a aqueles lugares e as pessoas que nele vivem, fazendo da experiência de conhecer Salvador, completa.